Saltar os Menus

Notícias

5 de Junho de 2019

Ministra da Cultura visita Pequim no âmbito do Festival Cultura Portuguesa

A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, inicia este domingo uma deslocação oficial a Pequim, no âmbito do Festival Cultura Portuguesa na China, que inclui a realização, ao longo de 2019, de diversos eventos culturais em domínios tão variados como a música clássica, o fado, o teatro, as artes plásticas, a dança contemporânea, o canto lírico, o cinema e a tradução de obras literárias portuguesas para mandarim.

Na sua estada oficial, entre 9 e 12 de junho, a Ministra da Cultura portuguesa presidirá no dia 10 de junho à cerimónia do Dia de Portugal, no Beijing Concert Hall, onde serão ouvidos o Hino Nacional e o Hino da República Popular da China. No programa das comemorações estão previstas as exibições de filmes sobre o nosso país e sobre o Festival de Cultura Portuguesa na China. A cerimónia encerrará com o concerto da Orquestra Sinfónica Nacional da China, dirigido pela maestrina Joana Carneiro, e com atuação da soprano Elisabete Matos.

Também no dia 10 de junho, a Ministra inaugura a exposição Histórias da Torre do Tombo/Chapas Sínicas, na Biblioteca Nacional de Pequim. O conjunto das Chapas Sínicas é um dos mais importantes documentos do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa. “Esta exposição, em concreto, convoca-nos a um património cultural comum com a China, que não se resume apenas ao passado histórico, mas que se projeta num futuro promissor, de cooperação em diversos domínios e de reforço dos laços de amizade que nos unem”, sublinha Graça Fonseca.

Na terça-feira, dia 11 de junho, a governante começa o dia com uma reunião com o seu homólogo chinês, o Ministro da Cultura e do Turismo da República Popular da China, Luo Shugang, no Museu do Palácio Imperial.

De seguida, no mesmo Museu, será inaugurada a exposição A Evolução do Azulejo em Portugal dos séculos XVI ao XX. A Ministra da Cultura afirma que “é um privilégio poder dar a conhecer ao público chinês uma parte daquilo que Portugal é, numa expressão artística diferenciadora da cultura portuguesa no mundo: O Azulejo.”

Ao final da tarde, a Ministra assistirá então ao espetáculo Quinze Bailarinos e Tempo Incerto, uma apresentação da nossa Companhia Nacional de Bailado, no Teatro Tianqiao.

No último dia da sua visita oficial a Pequim, a Ministra da Cultura fará a intervenção de abertura do II Fórum Literário Portugal-China, no Museu Nacional da Literatura Moderna Chinesa, fórum no qual participam os escritores Isabela Figueiredo, Bruno Vieira Amaral e José Luís Peixoto.

Na ocasião, Graça Fonseca pretende destacar “iniciativas de promoção internacional da literatura em língua portuguesa”, nomeadamente os apoios à tradução, mas também o Catálogo Gram Bem Querer que o Ministério da Cultura, em cooperação com outras entidades, vai conceber, editar, publicar e divulgar como uma grande mostra de literatura em língua portuguesa.

À margem do encontro de escritores, a governante tem também na agenda um encontro com a Presidente da Associação de Escritores da China.

Ao final da manhã, a Ministra da Cultura parte para uma visita ao Distrito Artístico 798 e, ao início da tarde, assistirá à entrega dos Prémios Tomás Pereira aos melhores alunos de Língua Portuguesa em universidades chinesas.

Este ano, Portugal e a China celebram em conjunto os 40 anos do restabelecimento das relações diplomáticas e os 20 anos da retrocessão de Macau. Ao longo deste ano decorrerá igualmente, na lógica de intercâmbio destas comemorações, o Festival da Cultura Chinesa, em Portugal.

 O primeiro evento em Pequim realizou-se a 4 de março, na Cidade Proibida, com a atuação do guitarrista português Pedro Jóia, e de Duan Chao, virtuosa de huqin, instrumento tradicional chinês. O concerto marcou o início de um ano de intensas trocas culturais entre os dois países e assinalou a primeira vez que as autoridades chinesas abriram as portas da Cidade Proibida a um evento musical estrangeiro, o que exprime a solidez e o dinamismo das relações sino-portuguesas.

 No quadro do Programa da Ação Cultural Externa, desenhado pelo atual Governo, Portugal está profundamente empenhado em promover uma estreita cooperação cultural com a China. Este é um mercado muito importante e estratégico para a promoção e divulgação internacional da nossa Cultura, dos nossos criadores e dos nossos intérpretes, levando o que de melhor se faz em Portugal a um dos maiores mercados culturais do mundo. A aposta no cruzamento dessa internacionalização com as áreas da Economia e do Turismo é uma porta aberta para o futuro.

 Em 2018, no âmbito do programa de Ação Cultural Externa foram concretizadas cerca de 1927 ações, em 83 países, o que representa um crescimento de cerca de 20% face ao ano anterior. Em 2019, prevê-se a projeção da cultura portuguesa em 85 países, com tendência crescente no número de ações a concretizar.

Esta notícia foi publicada em 5 de Junho de 2019 e foi arquivada em: Notícias.
DGLAB